Evidências sobre o impacto do COVID-19 na amamentação

A preservação da amamentação na era da COVID-19: Um apelo à ação

A COVID-19 teve um impacto significativo na prática clínica das maternidades, dos consultores de lactação e dos serviços de apoio. Mais de metade dos profissionais de saúde nas maternidades e nas UCIN referirem alterações importantes na sua prática clínica. Além disso, o sistema de saúde está sob uma pressão considerável, pelo que as equipas de apoio estão a ser reduzidas, o que afeta especialmente as parteiras e os especialistas em amamentação. Como resultado, as novas mães carecem do apoio essencial nos primeiros dias críticos para ajudar os seus bebés a amamentar ou, caso estes não o possam fazer, para dar início à constituição de um adequado suprimento de leite no longo prazo. Além disso, a COVID-19 veio causar um significativo stress nas mães em amamentação, o que se deve a diversos fatores.

Apesar das intenções iniciais das mães de amamentar, a COVID-19 tem tido um considerável impacto negativo na duração e nas taxas da amamentação à medida que a limitação do acesso aos serviços de maternidade se vai tornando uma norma.

Clique aqui para descarregar o Livro Branco sobre as investigações da FMR

Dr. Janis Müller, Instituto de virologia molecular, centro médico da universidade de ULM, Alemanha No nosso estudo, registámos que a entrada do RNA viral no leite pode ser transitória, ocorrendo com pouca frequência e durante períodos muito pequenos. Embora tenhamos detetado RNA viral no leite humano, tal não significa que seja infeccioso. Além disso, não temos conhecimento de qualquer publicação em que tenha sido confirmado o vírus ativo no leite humano.

Human Milk, COVID-19 and breastfeeding - A scientific literature review on COVID-19 and breastfeeding to date

À medida que a pandemia se expandia, levantaram-se muitas questões relativamente às vias de transmissão e aos modos de infeção, com particular destaque para a relação mãe-bebê, a amamentação e o leite materno. Embora os benefícios do leite materno e da amamentação tanto para a mãe como para o bebé estejam bem documentados, nas fases iniciais da pandemia levantaram-se algumas dúvidas relativamente às práticas hospitalares e às recomendações sobre a COVID-19 e a amamentação. Contudo, o que ficou claro, foi a necessidade de recomendações baseadas em evidências relativamente à questão da transmissão, sempre tendo em conta o valor do aleitamento materno. Tais recomendações permitiriam que as novas mães e os seus bebés continuassem a beneficiar das vantagens da amamentação e do uso do leite materno nesta era da COVID-19.

Clique aqui para efetuar o download da última literatura baseada em investigações ciêntificas de Leon Mitoulas, Nania Schärer-Hernandez and Severine Liabat (Front. Pediatr. 20 November 2020)

Click aqui para efetuar download do resumo da literatura

 

Lars Bode, Professor de pediatria e diretor do centro ‘mãe-leite-criança’ do centro de pesquisa momi core, universidade da califórnia, San Diego, EUA Nenhuma das amostras de leite de mães infetadas com COVID-19 se revelou positiva quanto à presença de vírus ativo, sendo rara a presença de RNA viral. Os dados indicam ser improvável a transmissão da mãe para a criança através do leite materno.

Mesas redondas reuniram cientistas tendo em vista compreender e mitigar o impacto da COVID-19 na prática clínica das maternidades e no apoio à amamentação

Mesa redonda global
German roundtable

A Medela organizou uma série de mesas redondas virtuais reunindo os principais investigadores para compreender o impacto da COVID-19 na amamentação a nível global e local e para partilhar opiniões sobre as atuais alterações nas práticas clínicas nas maternidades e no apoio à amamentação.

Nove especialistas em amamentação, aleitamento materno, imunologia e virologia, incluindo Lars Bode, Riccardo Davanzo, Donna Geddes, Janis Müller, Hans van Goudoever, Rebecca Powell, Virginie Rigourd, Diane Spatz e Ann Yates, compartilharam as suas observações, pesquisas e recomendações no sentido de apoiar as mães em amamentação e o pessoal de saúde durante a pandemia. Uma das principais conclusões foi que a presença do ARN SARS-CoV-2 no leite materno é uma ocorrência rara e que a grande maioria das mães, quando infetadas ou após a recuperação, apresenta uma forte resposta de anticorpos ao SARS-CoV-2 no seu leite. Preocupados com as alterações na prática clínica, todos os especialistas destacaram a importância de prestar às mães informação e orientação assentes em evidências e apoio à amamentação, pois existe uma janela crítica de oportunidade para estabelecer condições eficazes de produção de leite materno.

Numa mesa redonda realizada na Alemanha e reunindo Silke Mader, Aleyd von Gartzen, Ursula Felderhoff-Müser, Monika Berns, Vera Hesels, Prof. Dr. med. Michael Abou-Dakn, Thomas Kühn e Johannes Middelanis, os especialistas discutiram o impacto da COVID-19 na amamentação na Alemanha e concluíram que a amamentação deve ser promovida, em  particular no contexto da COVID-19, que a separação entre mãe e filho deve ser evitada e que os pais devem ser informados desde o primeiro momento sobre a amamentação e sobre as medidas de higiene adequadas.

Medela 2020/21 Série de webinars sobre amamentação e lactação na era da COVID-19

Em paralelo com a rápida propagação do coronavírus, surgiram informações imprecisas e infundadas que provocaram grandes incertezas nas mães e nos profissionais de saúde. Além disso, a situação da COVID-19 trouxe alterações na prática clínica nas maternidades: períodos reduzidos de permanência no hospital após o parto, possível separação da mãe e do bebé e maiores pressões sobre o pessoal de saúde. Todos esses fatores podem afetar o início adequado da jornada de amamentação da mãe, bem como sua duração. Com vista a apresentar os mais recentes dados e os mais recentes resultados de investigações relativamente à amamentação, ao leite materno e à segurança e saúde das grávidas e das mães que amamentam e dos seus bebés na era da COVID-19, criámos uma série de webinars visando esta temática                       

Breast Milk - a Source of SARS-CoV-2 Antibodies
Prof. Dr. J. (Hans) B. van Goudoever, MD, PhD

Evidence of a strong and specific antibody response against SARS-CoV-2 in human milk
Assistant Professor Rebecca Powell, PhD

Using the COVID-19 pandemic as an opportunity to address the use of human milk and breastfeeding as lifesaving medical interventions
Diane L. Spatz PhD, RN-BC, FAAN.

The impact of the COVID-19 pandemic on the use of human milk and breastfeeding in the NICU
Prof. Jae Kim MD, PhD

Protecting maternal milk supply during the COVID-19 pandemic
Diane L. Spatz PhD, RN-BC, FAAN

COVID-19 in human milk: What do we know?
Lars Bode, Professor of Pediatrics and Director of the Mother-Milk-Infant Center of Research ...

Breastfeeding, Human Milk and COVID-19 – what does the evidence say?
Leon Mitoulas, PhD and Nania Schärer-Hernández, PhD

Rebecca Powell, Professora Assistente na divisão de doenças infecciosas, Escola de Medicina Icahn do Hospital Monte Sinai, Nova Iorque, EUA Descobrimos que a grande maioria das mães revela uma forte resposta de anticorpos ao SARS-CoV-2 no leite materno e que esta resposta de anticorpos poderia neutralizar o vírus. É importante que as mães e os profissionais de saúde tenham conhecimento deste facto, que só demonstra o valor do aleitamento materno.
Iniciação em condições de risco Saiba mais Transição hospital-casa Saiba mais