Armazenar e descongelar leite materno

O leite fresco contém células maternas vivas e as quantidades mais elevadas de nutrientes, fatores de crescimento e muitos outros componentes protetores. Com o tempo e a exposição a várias temperaturas, a potência destes componentes diminui, enquanto o risco de contaminação bacteriana e proliferação de agentes patogénicos aumenta. O leite materno fresco não é estéril: contém uma grande variedade de organismos, incluindo bactérias não patogénicas, bactérias patogénicas, vírus, micobactérias e fungos. Embora as quantidades de bactérias do leite materno variem bastante, regra geral, a maioria dos organismos identificados são a flora da pele normal não patogénica do mamilo ou da mama da mãe ou organismos que protegem o sistema gastrintestinal do recém-nascido após terem migrado para a mama por via enteromamária.

Medela armazenar e descongelar leite materno

Tem sido exaustivamente investigado o efeito do armazenamento sobre o conteúdo microbiológico, a composição lipídica, os componentes celulares, as propriedades antibacterianas e a capacidade antioxidante; porém, ainda muitos fatores continuam por descobrir. Para além das alterações que ocorrem com o tempo, surgem diferentes problemas com o armazenamento do leite materno a várias temperaturas, incluindo a temperatura ambiente, de refrigeração e de congelamento. Isso significa que são necessárias recomendações específicas para as várias temperaturas e situações de armazenamento.

Preparação do armazenamento

O leite materno conserva a maior parte das suas propriedades imunológicas em recipientes de vidro ou de plástico rígido que não contenha polietileno. Além disso, os recipientes fabricados com bisfenol A (BPA) já não são utilizados como biberões devido aos efeitos adversos associados. Uma vez que podem existir algumas preocupações com a quebra do vidro, os recipientes ideais para o armazenamento do leite são aqueles em plástico rígido aprovado para contacto com os alimentos, isento de BPA, e com tampas que vedem bem. Recipientes limpos, asséticos ou estéreis também podem ser aceitáveis.

Orientações para a conservação de leite materno recém extraído (para bebés de termo saudáveis)

 

Local de conservação

Temperatura ambiente
16 °C a 25 °C
(60 °F a 77 °F)

Frigorífico
4 °C (39 °F)
ou mais frio

Congelador
-18 °C (0 °F )
ou mais frio


Leite materno descongelado no frigorífico

Tempo de conservação segura

Até 4 horas, de preferência

Até 6 horas, para leite extraído em condições de muita higiene*

Até 3 dias, de preferência

Até 5 dias, para leite extraído em condições de muita higiene*

Até 6 meses, de preferência

Até 9 meses, para leite extraído em condições de muita higiene*

Até 2 horas à temperatura ambiente

Até 24 horas no frigorífico

Não recongelar!

 

*Orientações para a extração de leite em condições de muita higiene:

Antes de extrair o leite materno, as mães devem lavar as mãos com água e sabão ou com um desinfetante de mãos à base de álcool. As peças do extrator, os frascos e a zona de extração devem estar limpos. A mama e o mamilo não necessitam de ser lavados antes da extração.

Estas orientações de conservação e descongelamento de leite materno são uma recomendação. Para obter mais informações, consulte o seu consultor em aleitamento ou especialista em amamentação.

Orientações para o armazenamento

O leite pode ser armazenado em segurança à temperatura ambiente durante um curto período de tempo. Embora os estudos difiram em termos do período recomendado exato, em geral, as temperaturas mais quentes estão associadas a contagens bacterianas mais elevadas no leite extraído. Um estudo-chave mostrou que a proliferação bacteriana, que se restringiu basicamente aos agentes não patogénicos, é mínima a 15 °C e permanece baixa a 25 °C nas primeiras quatro a oito horas, mas aumenta rapidamente após quatro horas a 38 °C. Os autores concluíram que o leite a 15 °C estava seguro durante 24 horas, e a 25 °C durante 4 horas. Em consequência, o leite extraído pode ser armazenado em segurança por aproximadamente 4 horas a temperaturas até 26 °C. A temperaturas ambiente mais baixas, o armazenamento até 6 horas também pode ser razoável em ambientes limpos.

A refrigeração a cerca de 4 °C conserva a integridade do leite humano durante mais tempo do que quando este é deixado à temperatura ambiente. A refrigeração demonstrou inibir a proliferação de bactérias gram-positivas até três dias.

O congelamento do leite materno a -20 °C até três meses foi recomendado como sendo a solução ideal. Aos três meses, as vitaminas A, E e B, as proteínas totais, a gordura, as enzimas, a lactose, o zinco, as imunoglobulinas, a lisozima e a lactoferrina são mantidas, embora possa ocorrer a perda de vitamina C após um mês. A proliferação bacteriana não é uma questão significativa até às seis semanas. Contudo, a capacidade antibacteriana é geralmente menor do que no leite fresco, devido à perda de células vivas como os fagócitos. Até 9 meses em congelamento a < -20°C é considerado aceitável, embora possam ocorrer alterações do sabor e do cheiro a -80 °C, dado que a lipase continua a decompor a gordura em ácidos gordos.

Após o congelamento, o leite pode ser descongelado no frigorífico ou usando um recipiente com água quente ou, ainda, segurando-o debaixo de água quente corrente. Descongelar leite materno com água muito quente, em micro-ondas ou no fogão deve ser evitado, pois as temperaturas de aquecimento elevadas podem reduzir as propriedades antibacterianas e outras do leite. O descongelamento está completo quando o leite congelado fica líquido, ainda está frio e tem alguns cristais de gelo. A presença dos cristais de gelo é uma indicação visível de que o leite não descongelou para lá de determinado ponto. O leite descongelado deve, então, ser refrigerado até imediatamente antes da sua utilização, e não mantido à temperatura ambiente durante mais do que algumas horas, para prevenir a proliferação bacteriana. O recongelamento do leite descongelado no frigorífico demonstrou manter uma carga bacteriana segura; no entanto, foi sugerido que o leite totalmente descongelado à temperatura ambiente não deve ser recongelado.

Resumos de artigos científicos
ABM clinical protocol #8: human milk storage information for home use for full-term infants (em inglês)

A central goal of The Academy of Breastfeeding Medicine is the development of clinical protocols for managing common medical problems that may impact breastfeeding success. ...

Academy of Breastfeeding Medicine Protocol Committee (2010)

Breastfeed Med. 5(3):127-30
Human milk: a source of more life than we imagine (em inglês)

The presence of bacteria in human milk has been acknowledged since the seventies. For a long time, microbiological analysis of human milk was only performed ...

Jeurink PV, van Bergenhenegouwen J, Jiménez E, Knippels LM, Fernández L, Garssen J, Knol J, Rodríguez JM, Martín R (2010)

Benef Microbes. 4(1):17-30
Referências

Boo, N.Y., Nordiah, A.J., Alfizah, H., Nor-Rohaini, A.H. & Lim, V.K. Contamination of breast milk obtained by manual expression and breast pumps in mothers of very low birthweight infants. J Hosp Infect 49, 274-281 (2001).

Novak, F.R., Da Silva, A.V., Hagler, A.N. & Figueiredo, A.M. Contamination of expressed human breast milk with an epidemic multiresistant Staphylococcus aureus clone. J Med Microbiol 49, 1109-1117 (2000).

Jeurink, P.V. et al. Human milk: A source of more life than we imagine. Benef Microbes 4, 17-30 (2013).

Cabrera-Rubio, R. et al. The human milk microbiome changes over lactation and is shaped by maternal weight and mode of delivery. Am J Clin Nutr 96, 544-551 (2012).

Goldblum, R. et al. Human milk Banking: I. Effects of container upon immunologic factors in mature milk. Nutr Res 1, 449-459 (1981).

Human Milk Banking Association of North America 2011 Best practice for expressing, storing and handling human milk in hospitals, homes, and child care settings (HMBANA, Fort Worth, 2011).

Eglash A, Simon L. ABM clinical protocol #8: human milk storage information for home use for full-term infants, Revised 2017. Breastfeed Med. 2017; 12 

Hamosh, M., Ellis, L., Pollock, D., Henderson, T. & Hamosh, P. Breastfeeding and the working mother: Effect of time and temperature of short-term storage on proteolysis, lipolysis, and bacterial growth in milk. Pediatrics 97, 492-498 (1996).

Slutzah, M., Codipilly, C.N., Potak, D., Clark, R.M. & Schanler, R.J. Refrigerator storage of expressed human milk in the neonatal intensive care unit. J Pediatr 156, 26-28 (2010).

Martınez-Costa, C., Silvestre, M.D., Lopez, M.C. et al. Effects of refrigeration on the bactericidal activity of human milk: A preliminary study. J Pediatr GastroenterolNutr 2007;45:275–277.

Silvestre, D., Lopez, M.C., March, L. et al. Bactericidal activity of human milk: Stability during storage. Br J Biomed Sci 2006;63:59–62.

Ogundele, M.O. Effects of storage on the physicochemical and antibacterial properties of human milk. Br J Biomed Sci 2002;59:205–211.

Marin, M.L. et al. Cold storage of human milk: Effect on its bacterial composition. J Pediatr Gastroenterol Nutr 49, 343-348 (2009).

Takci, S. et al. Effects of freezing on the bactericidal activity of human milk. J Pediatr Gastroenterol Nutr 55, 146-149(2012).

Ahrabi AF et al. Effects of extended freezer storage on the integrity of human milk. J Pediatr. 2016; 177:140–143

Pardou, A., Serruys, E., Mascart-Lemone, F., Dramaix, M. & Vis, H.L. Human milk banking: influence of storage processes and of bacterial contamination on some milk constituents. Biol Neonate 65, 302-309 (1994).

Rechtman, D.J., Lee, M.L. & Berg, H. Effect of environmental conditions on unpasteurized donor human milk. Breastfeed Med 1, 24-26 (2006).