Os benefícios da amamentação

A nível mundial, existe um consenso unânime em relação à importância da amamentação. Isto reflete-se na recomendação da Organização Mundial da Saúde de que as mães amamentem exclusivamente durante os primeiros seis meses de vida do bebé, continuando com a amamentação em complemento aos alimentos sólidos pelo menos nos primeiros dois anos. No entanto, a amamentação tem outras vantagens para além dos seus benefícios nutricionais; protege o bebé contra infeções, regula e reforça os sistemas fisiológicos da mãe e do bebé e promove a ligação entre os dois.

Benefícios para as mães

O contacto físico entre a mãe e o bebé durante o período pós-parto inicial ajuda a prolongar o período de aleitamento e pode ajudar na adaptação do trato gastrointestinal da mãe às necessidades acrescidas de energia durante o aleitamento. A amamentação aumenta a atenção da mãe às necessidades do bebé, acelera a contração uterina após o parto e reduz o risco de hemorragia. Também ajuda a mãe a recuperar o peso anterior à gravidez e diminui o risco de cancro dos ovários e da mama, doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2.

A amamentação proporciona efeitos anti-stress a longo prazo; em cada sessão de amamentação, as mães experimentam uma redução da tensão arterial e dos níveis de cortisol e os aumentos dos seus níveis de cortisol em resposta ao stress físico são menores quando comparados com os de mães que alimentam os bebés com biberão. As mães que amamentam também apresentam maior probabilidade de serem mais calmas e mais sociais do que outras mulheres da mesma idade que não amamentam nem estejam grávidas. De facto, as mães que têm contacto de pele com pele com os recém-nascidos imediatamente após o parto passam mais tempo com os bebés, interagem mais com eles durante a amamentação e amamentam por mais tempo.

Benefícios para os bebés

O leite materno proporciona a nutrição ideal (gordura, lactose, proteína e macronutrientes) para ajudar ao crescimento e desenvolvimento do bebé, bem como proteção completa (com componentes bioquímicos e celulares) contra infeções. Os bebés de termo que recebem leite humano apresentam melhorias significativas no estado de nutrição, na maturação gastrintestinal e no desenvolvimento neurológico, bem como no controlo de doenças infecciosas e crónicas, quando comparados com bebés alimentados com leite de substituição. Os bebés prematuros que recebem leite humano têm benefícios adicionais, incluindo um risco menor de enterocolite necrosante (NEC), intolerância à nutrição entérica, doença pulmonar crónica, retinopatia da prematuridade, atrasos no desenvolvimento neurológico e reinternamento hospitalar.

Ao nível do desenvolvimento, os bebés que são amamentados beneficiam de outras formas, incluindo de melhor desenvolvimento neurológico e índices de comportamento e de risco reduzido de desenvolver obesidade e diabetes tipo 2 na idade adulta. Além disso, a amamentação promove o desenvolvimento orofacial normal dos bebés, incluindo melhor dentição, atividade dos músculos periorais e masséter e crescimento do palato. Também diminui o risco de otite média.

O ato de amamentar também facilita a criação de laços entre a mãe e o bebé. O contacto de pele com pele e a estimulação tátil do mamilo, incluindo a sucção, resultam na libertação de oxitocina, um componente essencial para o reflexo de ejeção do leite que cria uma ligação entre a mãe e o bebé. A libertação da oxitocina aumenta o fluxo sanguíneo na zona do peito e do mamilo da mãe, aumentando a temperatura da pele e criando um ambiente quente e acolhedor para o bebé.

Resumos de artigos científicos
Breastfeeding and maternal and infant health outcomes in developed countries (em inglês)

We reviewed the evidence on the effects of breastfeeding on short- and long-term infant and maternal health outcomes in developed countries. ...

Ip S, Chung M, Raman G, Chew P, Magula N, DeVine D, Trikalinos T, Lau J (2007)

Evid Rep Technol Assess (153):1-186
An exclusively human milk-based diet is associated with a lower rate of necrotizing enterocolitis than a diet of human milk and bovine milk-based products (em inglês)

To evaluate the health benefits of an exclusively human milk-based diet compared with a diet of both human milk and bovine milk-based products in extremely ...

Sullivan S, Schanler RJ, Kim JH, Patel AL, Trawöger R, Kiechl-Kohlendorfer U, Chan GM, Blanco CL, Abrams S, Cotten CM, Laroia N, Ehrenkranz RA, Dudell G, Cristofalo EA, Meier P, Lee ML, Rechtman DJ, Lucas A (2010)

J Pediatr. (156):562-7
Referências

Altemus, M. et al. Suppression of hypothalmic-pituitary-adrenal axis responses to stress in lactating women. J Clin Endocrinol Metab 80, 2954-2959 (1995).

Chung, M. et al. Interventions in primary care to promote breastfeeding: An evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann Intern Med 149, 565-582 (21-10-2008).

Diouf, J.S. et al. Influence of the mode of nutritive and non-nutritive sucking on the dimensions of primary dental arches. Int Orthod 8, 372-385 (2010).

Gartner, L.M. et al. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics 115, 496-506 (2005).

Inoue, N., Sakashita, R. & Kamegai, T. Reduction of masseter muscle activity in bottle-fed babies. Early Hum Dev 42, 185-193 (1995).

Ip, S. et al. Breastfeeding and maternal and infant health outcomes in developed countries. Evid Rep Technol Assess (Full Rep) 153, 1-186 (2007).

Kramer, M.S. et al. Effects of prolonged and exclusive breastfeeding on child behavior and maternal adjustment: Evidence from a large, randomized trial. Pediatrics 121, e435-e440 (2008).

Labbok, M.H. e Hendershot, G.E. Does breast-feeding protect against malocclusion? An analysis of the 1981 Child Health Supplement to the National Health Interview Survey. Am J Prev Med 3, 227-232 (1987).

Murray, E.K., Ricketts, S. & Dellaport, J. Hospital practices that increase breastfeeding duration: results from a population-based study. Birth 34, 202-211 (2007).

Nissen, E. et al. Oxytocin, prolactin, milk production and their relationship with personality traits in women after vaginal delivery or Cesarean section. J Psychosom Obstet Gynaecol 19, 49-58 (1998).

Rosenbauer, J., Herzig, P. & Giani, G. Early infant feeding and risk of type 1 diabetes mellitus - a nationwide population-based case-control study in pre-school children. Diabetes Metab Res Rev 24, 211-222 (2008).

Schwarz, E.B. Infant feeding in America: enough to break a mother's heart? Breastfeed.Med. 8, 454-457 (2013).

Sullivan, S. et al. An exclusively human milk-based diet is associated with a lower rate of necrotizing enterocolitis than a diet of human milk and bovine milk-based products. J Pediatr 156, 562-567 (2010).

Uvnas-Moberg, K. and Petersson, M. [Oxytocin, a mediator of anti-stress, well-being, social interaction, growth and healing]. Z Psychosom Med Psychother 51, 57-80 (2005).

Vohr, B.R. et al. Persistent beneficial effects of breast milk ingested in the neonatal intensive care unit on outcomes of extremely low birth weight infants at 30 months of age. Pediatrics 120, e953-e959 (2007).

WHO e UNICEF. Global strategy for infant and young child feeding (Organização Mundial de Saúde, Genebra, 2003).

Widstrom, A.M. et al. Short-term effects of early suckling and touch of the nipple on maternal behaviour. Early Hum Dev 21, 153-163 (1990).

Winberg, J. Mother and newborn baby: Mutual regulation of physiology and behavior - a selective review. Dev Psychobiol 47, 217-229 (2005).