Desafios da segurança e do controlo de infeções do leite materno na UCI neonatal

O leite materno dado a mamar diretamente a partir da mama contém componentes nutricionais, protetores e bioativos ideais. Quando não é possível os bebés prematuros mamarem diretamente na mama, o desafiante objetivo para a UCI neonatal é fornecer o leite materno da forma mais próxima possível à amamentação direta e manter a integridade e a segurança do leite extraído.
Medela desafios da segurança do leite humano

Devido à natureza complexa do leite humano e ao percurso complicado necessário para o preparar para a alimentação, as considerações de segurança e controlo de infeções na UCI neonatal têm de gerir três problemas principais:

  • a carga bacteriana no leite materno
  • a exposição potencial do leite a agentes patogénicos durante a extração e manuseamento
  • os riscos de trocas e subsequente fornecimento do leite ao bebé errado

As práticas de colheita, armazenamento e etiquetagem do leite encontram-se entre as origens destes riscos. Apesar dos desafios, é largamente reconhecido o facto de os benefícios de receber leite humano, especialmente da sua própria mãe, se sobreporem aos desafios associados ao manuseamento do leite materno.

Fatores de risco no leite materno

O leite humano fresco contém bactérias que se pensa contribuírem para uma programação vital do sistema imunitário do bebé. Contudo, a presença no leite humano de bactérias potencialmente patogénicas também é comum. Isto pode levar a ocasiões em que alimentar um bebé com o leite da própria mãe (LPM) seja contraindicado.

Ademais, medicamentos e outras substâncias, como o álcool e nicotina, podem estar presentes no corpo da mãe. Apesar de a lista de medicamentos contraindicados durante o aleitamento ser relativamente pequena, cada situação materno-infantil tem de ser avaliada individualmente.

Preocupações no manuseamento do leite materno

O leite materno pode ser contaminado em vários pontos ao longo do percurso do leite, incluindo os processos de extração, armazenamento e manuseamento. No contexto da UCI neonatal, mesmo a flora mais benigna pode ter um efeito negativo sobre o vulnerável bebé imunocomprometido. Consequentemente, é crucial que durante o processamento se conservem, na medida do possível, as propriedades anti-infecciosas, ao mesmo tempo que se evita a contaminação por organismos patogénicos. O armazenamento do leite deve, por isso, ser otimizado em termos de duração, temperatura e rotulagem.

Após o armazenamento, a preparação do leite requer provavelmente o descongelamento, aquecimento e fortificação. Cada processo pode afetar a composição do leite e colocar em risco a sua higiene. Não é aconselhável utilizar o micro-ondas nem água quente ou a ferver no leite, pois estes métodos destroem as propriedades anti-infecciosas do leite. Adicionalmente, demonstrou-se que os micro-ondas aquecem o leite de forma não uniforme, criando "pontos quentes" que podem pôr em causa a segurança da temperatura do leite e provocar queimaduras.

O leite humano, em particular o leite de dadoras, é pasteurizado para prevenir a potencial transmissão de agentes patogénicos. A pasteurização pelo método de Holder é um tratamento térmico amplamente utilizado, no qual o leite é sujeito a temperaturas não muito elevadas durante períodos prolongados (62,5 °C por 30 min). Porém, sabe-se que o tratamento térmico também resulta na perda significativa de componentes imunológicos e anti-inflamatórios, bactérias probióticas e glóbulos brancos no leite. Para além disso, a pasteurização demonstrou ter um impacto negativo sobre a capacidade que o leite tem de resistir à proliferação bacteriana.

Consequentemente, existem diferentes processos de gestão e recomendações para o leite pasteurizado e não pasteurizado. Os profissionais da UCI neonatal devem estar conscientes de que pode ser necessário ter ainda mais cuidado com o leite pasteurizado, em particular com as condições de armazenamento, a fim de controlar a proliferação bacteriana.

Referências

Jeurink,P.V. et al. Human milk: A source of more life than we imagine. Benef Microbes 4, 17-30 (2013).

Human Milk Banking Association of North America 2011 Best practice for expressing, storing and handling human milk in hospitals, homes, and child care settings (HMBANA, Fort Worth, 2011).

Novak, F.R., Da Silva, A.V., Hagler, A.N., & Figueiredo, A.M. Contamination of expressed human breast milk with an epidemic multiresistant Staphylococcus aureus clone. J Med Microbiol 49, 1109-1117 (2000).

Eidelman,A.I. & Szilagyi,G. Patterns of bacterial colonization of human milk. Obstet Gynecol 53, 550-552 (1979).

Carroll, L., Osman, M., Davies, D.P., & McNeish, A.S. Bacteriological criteria for feeding raw breast-milk to babies on neonatal units. Lancet 2, 732-733 (1979).

Perez,P.F. et al. Bacterial imprinting of the neonatal immune system: Lessons from maternal cells? Pediatrics 119, e724-e732 (2007).

Quan,R. et al. Effects of microwave radiation on anti-infective factors in human milk. Pediatrics 89, 667-669 (1992).

Sigman, M., Burke, K.I., Swarner, O.W., & Shavlik,G.W. Effects of microwaving human milk: Changes in IgA content and bacterial count. J Am Diet Assoc 89, 690-692 (1989).

Christen, L., Lai, C.T., Hartmann, B., Hartmann, P.E., & Geddes, D.T. The effect of UV-C pasteurization on bacteriostatic properties and immunological proteins of donor human milk. PLoS One 8, e85867 (2013).